Biografia do Artista

Jeffrey Gibson é um artista interdisciplinar baseado em Hudson, Nova York. Suas obras fazem referência a várias histórias estéticas e materiais enraizadas nas culturas indígenas das Américas e nas subculturas modernas e contemporâneas. Gibson recebeu uma doação “Genius” da MacArthur Foundation de 2019.

As exposições anteriores de Gibson incluem, Jeffrey Gibson, 'LIKE A HAMMER', organizado pelo Museu de Arte de Denver, e 'This Is The Day', organizado por O Museu Wellin. Outras exposições individuais notáveis ​​incluem: 'The Anthropophagic Effect' (2019) O Novo Museu, Nova york; 'Olhe até onde chegamos!' (2017), Museu de Arte Haggerty, Milwaukee; 'Jeffrey Gibson: Fale Comigo' (2017), Centro de Artes Contemporâneas de Oklahoma, Cidade de Oklahoma; e 'Um tipo de confissão' (2016), Museu da Faculdade de Arte e Design de Savannah, Savana.

Obras

'Porque uma vez que você entra na minha casa, ela se torna nossa casa', 2020Madeira compensada, pôsteres, aço, LEDs e performances44 × 44 × 21 pés

Créditos das fotos – #1, 3, 5, 7 e 8 Imagens de instalação por KMDeco Creative Solutions: Mark DiConzo; #2 Imagem de Scott Lynch da performance de Emily Johnson; #4 Imagem de instalação por Sara Morgan; #6 Imagem por Cut/Cut/Cut: Chelsea Knight e Iztiar Barrio da performance de Laura Ortman

Sobre

'Because Once You Enter My House It Becomes Our House' de Jeffrey Gibson serve como uma homenagem à engenhosidade dos povos e culturas indígenas norte-americanas, à arquitetura pré-colombiana do Mississippi e à estética do acampamento queer. Gibson projetou a estrutura de várias camadas para fazer referência à arquitetura de terra da antiga metrópole de Cahokia, que era a maior cidade do povo indígena norte-americano do Mississippi em seu auge no século XIII. O monte de terra do zigurate pré-colombiano é representado no monumento de várias camadas de Gibson com uma estrutura de madeira compensada adornada com uma superfície vibrante de pôsteres colados com trigo. Os cartazes integram desenhos geométricos inspirados no Serpent Mound localizado em Ohio, outro monumento do Vale do Mississippi, ao lado de textos que funcionam como slogans ativistas. Gibson também fez a curadoria de uma série de performances lideradas por indígenas para ativar a estrutura ao longo do 'MONUMENTOS AGORA' exibição.

Programação

Gibson convidou três criativos indígenas – Laura Ortman, Emily Johnson e Corvo Chacon – para ativar 'Because Once You Enter My House It Becomes Our House', com uma série de performances lançadas como parte de um evento virtual série de triagem ao longo do 'MONUMENTOS AGORA' exibição.

Em conversa: Artista Jeffrey Gibson e curador de Sócrates Jess Wilcox–>

Reconhecimento da Terra Coletiva de Parentesco Indígena–>

Estreia do documentário sobre a performance de Laura Ortman–>

Estreia do documentário sobre a performance de Emily Johnson–>

Em conversa: Jeffrey Gibson, Laura Ortman, Emily Johnson e Raven Chacon–>

Press

The New Yorker

Jeffrey Gibson e seu projeto no Parque foram fotografados por Steven M. Contreras para a edição de 27 de julho de The New Yorker revista. Veja a imagem–>

Revista Artful

Karen Rosenberg entrevistou Jeffrey Gibson para a Artful Magazine. Publicado em 6 de julho de 2020.

[Excerto]

Karen Rosenberg: A questão do que fazer com alguns de nossos monumentos está muito nos noticiários agora. Mas essa também é uma questão que nos acompanha há algum tempo, e shows como o de Sócrates exigem muito planejamento. Como e quando você criou seu monumento e como ele evoluiu?

Jeffrey Gibson: Foi cerca de um ano atrás quando o curador da mostra, Jess Wilcox, me convidou para fazer o projeto. Quando houve um movimento nacional para derrubar monumentos, já tínhamos planos confirmados para a minha peça. Estava na minha cabeça há algum tempo trabalhar com a arquitetura de um monte de cultura do Mississippi. A ideia de ativar de alguma forma a estrutura com performances também estava lá no início.

KR: Quais foram algumas de suas fontes formais e históricas de inspiração? Você fez referências aos montes de terra da antiga cidade de Cahokia, no que hoje é Illinois, e ao zigurate pré-colombiano.

JG: Nos meus vinte e poucos anos, trabalhei no departamento de antropologia do Field Museum, enquanto ia para o Art Institute of Chicago. Aprendi muito lá sobre tribos e culturas além da minha. Mas quando me deparei com as obras de terraplanagem da cultura do Mississipéia, fiquei chocado por não ter conhecimento delas. Minha tribo, o Mississippi Choctaw, é uma das tribos que emergiram da cultura do Mississippi. A história popular nem mesmo reconhece a cultura do Mississipéia – ela apresenta a ideia de que não houve um pré-contato civilizatório plenamente realizado, quando na verdade os achados culturais do Mississippi são evidências de que houve um. Há evidências de governo, de cultura cívica. Então, quando me pediram para fazer este projeto, a primeira coisa que me veio à mente foi aquela estrutura de montículo.

Leia o artigo completo em Revista Artful–>

Suporte

 

'MONUMENTOS AGORA'

PARTE I: Jeffrey Gibson, Paulo Ramírez Jonas, Xaviera Simmons
PARTE II: 'Chamada e resposta'
PARTE III: 'The Next Generation'
+ O quadro de avisos da Broadway & “Fale connosco"